quarta-feira, maio 16, 2007

Desabafo

Cada vez me sinto mais próximo dos trabalhadores mais humildes do meu país, dos que levam para casa todos os meses 400 a 500 euros trabalhando um número descomunal de horas.
Cada vez me sinto mais afastado de tantos "colegas" professores que não têm a mínima consciência de classe. Pensam que não são trabalhadores, os coitados. Se calhar têm razão, alguns deles... Com esses "colegas", eu, se fosse ministro da Educação, calcava-os bem mais. Eles parecem gostar.
Pena é que outros professores que fazem todas as greves e vão fazer mais esta greve geral apanhem por tabela, em parte por causa destes "colegas". Dos que se queixam da "ministra", das "aulas de substituição", do "nível dos alunos", dos "sindicatos". Da próxima vez que os ouvir queixar à minha beira, vou mandá-los, em pensamento, queixarem-se para o raio que os parta...

Etiquetas:

5 Comentários:

Anonymous josé manuel faria disse...

E fazes muito bem...

10:34 da tarde  
Blogger Miguel Pinto disse...

Estás a pensar nos acólitos e nos lambe-botas? Como sabes, os penduras aguardam pacientemente que alguém abra caminho, que alguém pague as lutas,... para depois usufruir regaladamente das conquistas... É o chico-espertismo portuga...

10:58 da tarde  
Blogger Catarina disse...

Eu mando-os para o raio que os parta de viva voz. Sou menos diplomática, é o que é!

2:07 da tarde  
Blogger Moriae disse...

Hummm ... é isso mesmo ... mas no meu caso, talvez a coisa passe por mais do que pensamento ... mas mandar, não mando ;)

11:07 da tarde  
Blogger Jose disse...

Conheço uma pessoa (cujo nome não digo nem que me matem - é o o meu sogro, já reformado da "função pública")que sendo de direita votava à esquerda nas legislativas porque, dizia ele, a esquerda é que beneficiava o gadinho (sic).
Esta mentalidade de chico-esperto e oportunista é, infelizmente, a de muitos colegas.

11:06 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial