quinta-feira, maio 03, 2007

Obscenidades

"O universo capitalista assegura que a riqueza – acumulada brutal e primitivamente – se orienta para as suites executivas e não para os cheques de pagamento aos trabalhadores ou para os programas financiados pelos impostos destinados ao bem comum. No actual reinado do capitalismo, é um crime uma pessoa pobre roubar uma fatia de pão, ou uma lata de comida para bebé, mas já não é um crime uma empresa pagar salários que perpetuem a pobreza enquanto os executivos recebem salários e benefícios na ordem dos milhões. Com as suas compensações, o beneficiário leva uma vida de opulência que faria corar os Médicis. Segundo o Boston Consulting Group, uma firma de consultoria para o sector do capitalismo actualmente conhecido por Novo Luxo (companhias como a Cartier, a Louis Vuitton, a Gucci, etc.), as vendas neste grupo aumentaram de 450 milhões de dólares em 2003 para 525 milhões em 2004, esperando-se 1 milhão de milhões para 2010.
Os salários dos capitalistas característicos actuais – os administradores, os assaltantes corporativos, os banqueiros de investimentos, os gestores de futuros – assentam numa contradição cultural entre o trabalho que executam e as receitas que auferem. Só uma auto-justificação egocentrista pode afirmar que a sua compensação é uma medida justa em relação à sua contribuição para o bem público. Não há nenhum mercado que imponha que um administrador ganhe 12 milhões de dólares por ano – nem mesmo 2 milhões – enquanto que os seus trabalhadores ganham 1/300 disso ou ainda menos. Não foi nenhuma força natural que impôs a Richard Grasso o direito a 190 milhões de dólares de indemnização quando ele se demitiu de presidente do New York Stock Exchange, ou uma gratificação justa de 400 milhões de dólares a Lee Raymond quando este se reformou de presidente da Exxon. Os salários, bónus, pacotes opcionais, e pára-quedas dourados, aprovados por lei, dos oligarcas corporativos não são impostos pelo mercado, nem sequer por filósofos moralistas, mas sim pelos seus colegas de classe igualmente ladrões.
O mesmo se pode dizer do pagamento anual embolsado pelos atletas profissionais, estrelas de cinema e outras celebridades. O valor social do seu produto é quase sempre duvidoso, mas quaisquer que sejam os seus méritos, não são as forças do mercado que estabelecem a estratosfera em que se estabelece a sua compensação. A sociedade consegue sobreviver sem Paris Hilton ou sem Tom Cruise, mas a segurança e a saúde públicas ficam em perigo ao fim de uma semana sem os homens do lixo ou sem enfermeiras.

6 Comentários:

Anonymous IC disse...

A oligarquia capitalista sempre foi obscena. E, depois de ter ido ler todo o artigo que referes, no qual se aponta o papel dos socialistas como de permanente luta contra um sistema que mantém a enorme massa de pobreza e miséria, eu confesso que perguntei para os meus botões: Mas onde estão os socialistas? Contudo, talvez seja melhor pergunta: O que faz que os povos de vários países andem sempre a desistir de eleger os que se intitulam de socialistas?

12:21 da manhã  
Blogger Catarina disse...

Fica-se menos desesperado quando percebemos que há caminhos e que há quem os procure e os indique. O capitalismo dominante tenta com toda a força passar a mensagem de que é o único caminho possível...

1:18 da tarde  
Blogger henrique santos disse...

Isabel
o autor quando fala de socialistas fala de socialistas a sério, tipo Salvador Allende, por exemplo.

3:35 da tarde  
Blogger henrique santos disse...

Catarina
a grande insistência dos neoliberais desde os finais de setenta em dizer que não há alternativa ( a Tatcher dizia TINA,There...) é isso mesmo: esconder todos os discursos que apontam realisticamente diga-se para outro mundo possivel. Os estudos sobre o rendimento garantido a nível internacional que são mencionados neste artigo são disso um bom exemplo.

3:38 da tarde  
Blogger Catarina disse...

Sim, op autor do artigo quer dizer socialistas mesmo. Os nossos... bem, os nossos é outra loiça! Se o nosso PM é socialista, eu sou o Napoleão Bonaparte. Até sou baixinha e gorducha...

4:51 da tarde  
Blogger Miguel Pinto disse...

ehehehe... tens razão Catarina. E por falar em alturas, recordo as palavras do Marques Mendes a apelar a este governo para ser menos liberal... na saúde. Confesso que apanhei um entorse... ;)

10:05 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial