domingo, julho 02, 2006

Sobre o sindicalismo... designadamente o docente.

"É sabido, que ao longo da história internacional do movimento sindical sempre se verificou uma duplicidade de perspectivas da sua actividade e tipo de intervenção: a participação e envolvimento dos trabalhadores ou uma actividade burocratizada de cúpula."
In A Saúde, as Políticas e o Neoliberalismo
Mário Jorge Neves, Presidente do Sindicato dos Médicos da Zona Sul.
No sindicalismo docente esta duplicidade é também visível. Primeiro entre sindicatos. É absolutamente distinguível a prática de sindicatos que adoptam mecanismos de decisão onde são envolvidos exclusivamente os seus organismos (ou mesmo indivíduos) de cúpula e aqueles que abrangem muito maior participação.
Em Portugal os únicos sindicatos que promovem regularmente reuniões nas escolas em que os professores podem participar livremente ou activamente são os pertencentes à Fenprof. Todos os outros se distinguem pelo encerramento nas suas "cúpulas" que, muitas vezes se representam a si mesmas, com o beneplácito do poder que tanto jogou e joga no "dividir para reinar". (Nunca, até hoje, o poder respondeu ao repto da Fenprof para medir a representatividade sindical docente no nosso país. Tal não lhes interessa.)
Se a distinção anteriormente feita, para mim é pacífica, não é menos verdade que penso ser necessário nos sindicatos da Fenprof um salto qualitativo ao nível da participação dos professores. As suas decisões têm de ser a resultante de um ainda maior envolvimento real dos professores através de mecanismos mais directos de formação de decisão, tanto a nível das suas propostas como das formas de luta.
A Fenprof como representante de um tipo de sindicalismo de participação deve ser capaz de ir por aí. As propostas do ME para diminuição das horas de redução para acção sindical visam claramente diminuir a acção sindical combativa que só se encontra na Fenprof. Penso, no entanto, que este ataque ao sindicalismo, pode ser um contributo externo para que a Fenprof, através de uma resposta que invista em formas organizativas diferentes, - em que o envolvimento dos professores seja maior e mais directo, - se renove positivamente.
Adenda: além das suas próprias propostas apresentadas no dia 14 de Junho, a Fenprof apresenta agora o seu parecer quanto às propostas do ministério. É de salientar que, nos últimos tempos, a Fenprof tem demonstrado capacidade, tanto no campo das propostas como no da mobilização dos professores.

6 Comentários:

Blogger JP disse...

Nem mais.
E todos os que não querem ver isto estão a perder o essencial do filme: continuam a querer ORDEnar... e entretanto o filme passa.... e passa...

Fica agora claro para todos o que vale a FENPROF, ao ser eleita como inimiga nº 1 do ME e do próprio governo.
Ainda bem que podemos contar com a FENPROF.

A FENPROF tem defeitos? Muitos! Claro que sim!

Mas prefiro participar numa organização de pessoas e que tem erros do que ficar de fora ou dar o meu dinheiro para SPLOCS que assinam tudo e mais alguma coisa com qualquer governo que passe... e passam muitos :)

Dentro da FENPROF vou lutar por um sindicalismo mais vivo e mais participativo, porque assim terei uma profissão melhor e uma escola melhor...

Vamos a isso?

11:54 da tarde  
Blogger IC disse...

Estou totalmente de acordo com tudo o que dizes nesta entrada, mas ando com uma dúvida (ou receio). Irão ser limpos, ou seja, claros e sérios, os meios de todos os sindicatos comprovarem a sua representatividade? Não me lembro das palavras exactas da ministra na TV, mas disse qualquer coisa como estar aí a complicação, e, claro, para a ministra a complicação não deve advir da FENPROF, calculo que o que pretende 'descomplicar' seja a questão dos tais que só se representam a si próprios, mas a quem talvez não venham a faltar ajudas à pressa para demosnstrar representatividade. Não pretendo fazer insinuações, o que seria incorrecto, apenas estranho que a ministra não tenha receado enveredar pelas representatividades, e temos razões para andar de pé atrás, ou não?
Ou, estando a acompanhar pouco o assunto, estou com teias de aranha?
(Fiz o comentário e esta pergunta porque já percebi que estás por dentro do assunto, Henrique)

12:56 da manhã  
Blogger henrique santos disse...

Isabel
que eu saiba há dois meios de medir a representatividade sindical: ou através do número dos sindicalizados nos sindicatos existentes, ou através de eleições sindicais. Eu penso que esta ministra nem quer fazer uma coisa nem outra. Ela disse que há 25 sindicatos mais para argumentar no sentido do que quer impor, isto é, uma redução dos efectivos sindicais a trabalhar nos sindicatos com reduções lectivas. Quer queiramos quer não, a medição da representatividade, principalmente através de eleições, seria uma forma de responsabilizar os professores e os sindicatos e vincular a sua acção de forma mais activa. Ora isto é o que a ministra não quer.

2:57 da tarde  
Blogger Miguel disse...

Não contesto o facto da Fenprof ser o sindicato de professores com maior número de associados e maior capacidade de mobilização. No entanto, a Fenprof perde muita da sua credibilidade e legitimidade para avançar com protestos quando não se consegue renovar nas suas cúpulas dirigentes e não consegue retirar o estigma de compromisso político-partidário com o Partido Comunista Português...

1:59 da tarde  
Blogger henrique santos disse...

Caro Miguel
tenho de ser sincero. O meu caro não gosta de sindicatos. Mas pensa que lhes pode dar lições de sindicalismo. digo isto pelo que conheço do que tem escrito.
Quanto às questões que coloca acho que a Fenprof, e alguns sindicatos mais do que outros, precisarão de alguma renovação de quadros ao seu mais alto nível, mas apenas porque alguns demonstram algum desgaste. O sindicalismo docente necessita de alguns sindicalistas que se mantenham e dêem continuidade político-sindical. O critério de renovação, para mim, é a forma concreta como eles trabalham. Podem estar lá há muito tempo, eventualmente, e renovar-se. Outros podm entrar e... Outra coisa, sim, que eu acho importante, é que eles mantenham um contacto muito estreito e directo com os professores, as escolas e a profissão.
Quanto à questão dos cartões partidários dos sindicalistas, acho que está absolutamente deslocada. Os membros de qualquer partido têm absoluto direito e dever em serem membros activos das instituições da sociedade. O que diz é um fantasma que lançam aqueles que estão interessados em diminuir a combatividade demonstrada por alguns sindicatos e federações. o tempo do Mcarthy já lá vai, ou devia ter ido.

10:25 da tarde  
Blogger zoltrix disse...

esta questão sobre sindicalismo, (representatividade e outras), é uma das mais importantes no futuro próximo! Se a única federação que ainda nos representa com alguma dignidade e peso, sai ainda mais enfraquecida, desta tentativa de a silenciar ou reduzir a um mero ornamento, tempos muito mais difíceis iremos ter!!!
Se ao menos os 150.000 "profes" estivessem sindicalizados nos tais 25 sindicatos, mas nem isso! A FENPROF representa mais de 80% dos PROFESSORES SINDICALIZADOS, que são cada vez menos...
Seria bom descobrir que há sindicatinhos que só se representam a eles mesmos. Criados com a ideia de confundir e de se aproveitarem da lei sindical ainda em vigor! Sempre acarinhados pelos sucessivos governos, pois não!
Continuo na minha: não há sindicatos a mais SE TODOS OS QUE TRABALHAM NO ENSINO FOREM SIDICALIZADOS!A Fenprof, é apenas uma das opções possíveis. Quem dela, e dos sindicatos que representa, não gostar, QUE SE SINDICALIZE NOUTROS!
Há muito espaço ideológico! O que é preciso é agir!

4:27 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial