quinta-feira, agosto 31, 2006

Responsabilidade moral

"É óbvio que o sistema escolar, em geral, e o educador em particular não têm o poder e a influência para estabelecer uma sociedade moral; pensar assim seria uma ingenuidade. Mas também é certo que educar é uma responsabilidade pública e fazê-la de uma maneira ou de outra tem suas consequências. Ao Estado e aos governos corresponde as iniciativas, os apoios, as políticas redistributivas, mas a Escola e o professor são responsáveis na construção de uma sociedade mais humana, mais justa e nisso têm de se comprometer ainda que os resultados sejam escassos ou nulos. Que o resultado não depende totalmente de nós é algo que Kant viu com toda a lucidez. Que posso esperar se faço o que devo?, perguntou-se como anotação final do seu sistema ético, e a resposta foi mais ou menos esta: nada mais que a satisfação de haver actuado como devia."
Escámez(1996)
"Una propuesta de educación en Valores en el nivel de secundaria" Revista Interuniversitaria de Formación del Profesorado. N.º 25, pp. 21-35.
(tradução minha)

2 Comentários:

Blogger Miguel Sousa disse...

Caro Henrique, tempo que seja com essa escola e com essa educção que as forças vivas estão apostadas em acabar. parece ser mais comodo produzir cidadãos que não se importam de trabalhr 18 horas por dia a troco de um salário mínimo. Parece que há muita gente interessada em modificar uma escola incomoda, uma escola que produz indíviduos com cabeça, uma escola que dá asas aos jovens para que possam voar. Dizia eu, parece que a querem substituir por uma vazia de valores, de pensamentos, que produza autommatos obedientes e que não dão chatices sociais do foro reivindicativo.

11:55 da tarde  
Blogger IC disse...

Henrique, que bom estares de regresso! :)
Ao que escreveste no meu cantinho já respondi, e, sobre este teu post, a esta hora tardia digo só que gostei de todas as suas linhas e particularmente da citação de Kant - não conhecia essas suas frases, mas a ideia é, desde há bastante tempo, um dos meus 'lemas' quando parece que coisas em que me empenhei (com muitos outros, claro) não serviram para nada. (E também resta sempre a pergunta: há alguma coisa que não sirva para nada?)

3:07 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial