sábado, outubro 18, 2008

Que fazer?

Na minha escola há, como penso haver em muitas, um sentimento de profunda insatisfação perante este modelo de avaliação proposto pelo ME. No entanto é uma contestação surda, à boca pequena e nunca se traduziu em actos escritos. No entanto há também que dizer que fomos 50 professores à manif de 8 de Março do ano passado.
Na semana passada o meu departamento tomou por unanimidade uma posição de repúdio a este modelo.
Segunda-Feira irá haver uma reunião geral de professores para a qual os professores foram convidados para serem lá explicadas as "grelhas". Sem deixar de fazer em concreto a análise crítica das grelhas, pretendo apresentar uma proposta de abaixo-assinado a enviar à ministra da Educação. Vamos lá ver quantos dos meus colegas assinarão o texto, ou uma adaptação do mesmo. Direi antes de o pôr a rolar que só pretendo enviá-lo se ele for assinado por uma maioria substancial dos professores.

"E.B. 2,3...

20 de Outubro de 2008

Excelentíssima Senhora Ministra da Educação

Considerando que:
-esta avaliação do desempenho docente, imposta pelo Ministério da Educação é um monstro burocrático que está a desviar os professores e as escolas daquilo que deve ser a essência da profissão e da organização escolar: ensinar e promover aprendizagens de qualidade em todos os alunos;
-esta avaliação do desempenho tal como está configurada mais não passa de um sorvedouro de recursos temporais, materiais e emocionais que em nada contribui, bem pelo contrário, para o desenvolvimento profissional dos professores e a melhoria das escolas, que no entanto, são proclamadas incoerentemente no seu fraseado legislativo;
-a profissão de professor é inerentemente uma profissão de colaboração, de solidariedade e de valores elevados onde a competição estéril e o individualismo são males desnecessários.
Os professores abaixo-assinados que representam ____ % dos professores desta escola entendem:
-recusar liminarmente o modelo em vigor exigindo a sua suspensão urgente antes que produza mais estragos e consuma mais recursos;
-partir para a negociação de um modelo diferente de avaliação do desempenho que esteja expurgado dos defeitos intrínsecos atrás mencionados. "
Por outro lado julgo também ser muito importante aproveitar o facto de estarem lá todos os professores para discutir o que fazer no imediato em relação à entrega dos objectivos. Há colegas que simplesmente propõem a não entrega, outros que propõem a entrega de objectivos iguais. Eu acho que a primeira proposta só seria de realizar no âmbito de uma recusa de todo o processo de avaliação e de uma atitude colectiva, pois caso em contrário está mesmo a ver-se os resultados que poderia trazer para aqueles que enveredassem por esse caminho. Eu sou muito mais por tomadas de posição positivas e colectivas. Pensar nos objectivos colectivamente até poderia ser uma forma bastante interessante de tratamento do assunto nesta fase da contestação.
Já agora quero deixar aqui um link para o blog da 3sa que está a escrever os seus objectivos e a dar deles conhecimento público. Sobre o seu conteúdo e sobre o que vou conhecendo dela, só posso dizer que revelam uma professora que se distingue pela qualidade na acção e na reflexão, facetas imprescindíveis de um professor. (procurem lá os posts que tratam desta questão e aproveitem para ler os restantes)

2 Comentários:

Blogger 3za disse...

:)

5:26 da manhã  
Blogger paula montez disse...

Apelamos à vossa divulgação da reunião do próximo dia 28 de Outubro (3ª f), às 18 horas. E também à eventual participação, uma vez que se trata de uma reunião aberta

http://escolapublica2.blogspot.com/2008/10/reunio-28outubro-mudana-do-local-da.html

3:15 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial