sexta-feira, abril 04, 2008

Quando for grande quero escrever assim

"Com conteúdos e qualidade muito diversos, as medidas de política educativa do actual Governo manifestam, em qualquer caso, um princípio unificador bastante preciso: retirar direitos ("privilégios", no entendimento dos responsáveis governamentais), poder e auto-estima aos professores dos ensinos básico e secundário. Intrigado com esta estranha coerência, terminava José Gil a sua coluna na Visão de 21 de Fevereiro com a seguinte inter­rogação: "Nisto tudo, porquê tanto ódio, tanto desprezo, tanto ressentimento contra a figura do professor?" Procurando contribuir para responder à pergunta, direi que a atitude governamental em causa, para se poder apre­sentar com tanta convicção e coerência, teve de basear-se em alguns equívocos, que passo a tentar enunciar. Um primeiro equívoco consiste em admitir que a sociedade portuguesa oferece aos jovens condições homogeneamen­te favoráveis de acesso e de relacionamento com a escola, tornando por isso fácil e padronizável a acção pedagógica. Partindo deste equívoco, o corolário político extraído pela actual equipa ministerial foi o de que os alegados maus re­sultados obtidos no sistema educativo português são direc­tamente imputáveis aos seus protagonistas maissalientes: os professores e os órgãos de gestão dasescolas.A verdade é que, para sustentar tal posição, é precisoacreditar que: a sociedade portuguêsa não é marcada por fortes desigualdades económico-sociais; é estatisticamente irrelevante a proporção de crianças e jovens a viverem em situação de pobreza ou em famílias com horizontes de em­prego precários; não há défices de instrução e de literacia muito elevados entre a população adulta, portanto entre os pais de muitos alunos que hoje frequentam a escola; não há falta de tempo nem de preparação de muitos encarregados de educação para o acompanhamento escolar dos filhos; não há espaços residenciais estigmatizados nem formas de socialização desviantes a eles associadas; não hádiluição de factores de motivação para o trabalhoescolar induzidos pelo consumismo e por ilusões deascensão social difun­didas no campo dos media e dasindústrias culturais e de lazer; não há carências nem falta de coordenação entre instituições de apoio social às populações e grupos escola­res mais desfavorecidos; não há desmotivação dos jovens para o prosseguimento de estudos por falta de perspectivas profissionais valorizadoras das aprendizagens escolares; não há pressão para a saída precoce da escola em direcção a postos de trabalho precários e muito pouco qualificados (em Portugal ou até emEspanha); etc.O segundo equívoco é, em grande medida, uma pro­jecção do primeiro no modo de conceber o quotidiano concreto das escolas e desdobra-se, também ele, em múl­tiplas crenças: os equipamentos escolares têm sempre grande qualidade; as turmas reais têm a dimensão que lhes atribuem as "médias" oficiais; é estável, transparente e coerente a malha de regulamentação das actividades lectivas de iniciativa governamental (raramente avalia­das, aliás) a que os professores têm de se adaptar; não há alunos com dificuldades acumuladas nas turmas; há acompanhamento permanente a esses alunos por parte de equipas pluridisciplinares devidamente preparadas e estáveis; há muito tempo disponível no horário dos professores para se relacionarem com os colegas, para prepararem conscienciosamente as aulas e para se en­contrarem consigo próprios no quadro de estratégias de autoformação consistentes e estimulantes; a sala de aula é um espaço de transmissão da mensagem pedagógica sem resistências nem dissidências por parte dos recep­tores, e onde a indisciplina é pontual epassageira; não há sofrimento nem forte incidência deburnout entre os docentes; etc. Assumidas estas ficções sobre a sociedade portuguesa e as suas escolas concretas, basta que se assuma também o pressuposto (individualista/subjectivista) segundo oqual a acção dos professores depende exclusivamente de qualidades e intenções que lhes são "próprias", e não sobretudo, como acontece na prática social em geral, da estrutura de limitações e oportunidades com que seconfrontam - basta que se assumam aquelas ficções eeste pressuposto para se começar a acreditar, e depoisa jurar, que os problemas da escola portuguesa começam e acabam na inabilidade, preguiça, "corporativismo", desleixo, desinteresse dos professores, responsabilizando-os publicamente por isso. Foi esta a armadilha intelectual em que se deixou caira equipa ministerial, quase desde o momento em que iniciou funções. Daí à hostilização sistemática dos professores, ha­bilmente mediada pelo ataque às suas estruturas sindicais, não foi senão um passo. (...)Numa altura em que os teóri­cos da organização e gestão empresarial defendem cada vez mais a importância do envolvimento e participação criativa dos trabalhadores (encarados como actores "re­flexivos"), desconfiando dos que teimam em racionalizar e controlar os comportamentos no espaço do trabalho sem ter em conta a pluralidade e riqueza das suas dimensões humanas, a obsessão "gestionária"do Governo no modo de conceber a actividade docente (actividade relacional por excelência) tem o seu quê de anacrónico - e pode vir a ter consequências muito negativas, se não forem revistas alguns dos seus fundamentos e modos de concretização."


José Madureira PintoSociólogo; professor da Universidade do Porto
Sociólogo, dos melhores.
(inicialmente publicado na edição de Domingo, 9 deMarço de 2008, no Público)"

Comentário meu: apenas tenho a dizer que Madureira Pinho, excelente pessoa além de excelente sociólogo como pode conhecer quem leia a sua obra, cai num erro. É que a equipa ministerial não cai em equívocos nenhuns. Cria intencionalmente equívocos, maldosamente, recorrendo a jogo sujo, propaganda, omissões, inverdades e mentiras para enganar o povo português, denegrindo com propósitos economicistas e divisionistas o professorado português. É um bocado grosso, mas é a verdade. Talvez política e socialmente incorrecta mas a verdade.

3 Comentários:

Anonymous Peixoto disse...

O ME sabe muito bem o que quer: desprestigiar a figura e a imagem dos professores, por forma a permitir o sucesso educativo encapotado e a redução das despesas com o professorado.
O novo Estatuto da Carreia Docente visa impedir a subida regular de escalão dos professores, enquanto que o Estatuto do Aluno visa faclitar a vida aos alunos, quase que impedindo a sua retenção...

11:02 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Questão: E nós vamos deixar?

10:10 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Tenho andado muito preocupada com as Ciências Sociais e Humanas. Digo-o porque tenho assistido a totais imbecilidades por parte de muito pessoal deste sector de investigação. Em especial MLR, que apesar dos títulos académicos se não compara a um mero sábio do nosso povo dito de analfabeto. Está provada a teoria de que instrução sem formação é um bluff.
Mas formação, mesmo com instrução básica, pode dar sabedoria.
Depois de tonta incompetência tecnica (INACREDITAVEL) começo a descortinar que psicólogos, sociólogos e antropólogos começam a sentir a necessidade (e responsabilidade social) de responder aos pxicologueses, xoxialeses e antropoleses da praça. MLR?
Xoxialesa. E malvada. Como professora e especialmente, neste caso, como psicóloga, (da idade MLR!) aplaudo os meus colegas das Ciencias Sociais e Humanas. Que gente é "esta"!?
Disse.
anahenriques

6:44 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial