terça-feira, fevereiro 27, 2007

A manchete que não o foi nos média: "DESIGUALDADE AUMENTA"

"O Eurostat acabou de publicar dados sobre a repartição dos rendimentos nos países da União Europeia. Esses dados já abrangem o 1º ano do governo de Sócrates, ou seja, 2005. E eles revelam que as desigualdades na repartição do rendimento nunca foram tão elevadas em Portugal e nunca aumentaram tanto num único ano como sucedeu neste 1º ano de governo PS.
Em 2005, em Portugal, os 20% da população com rendimentos mais elevados receberam 8,2 vezes mais rendimentos do que os 20% da população com rendimentos mais baixos, quando a média na União Europeia (25 países) era, nesse ano, de 4,9 vezes, ou seja, em Portugal a desigualdade neste campo era superior à média comunitária em 67,3%. Se se analisar a variação da desigualdade nos últimos dez anos conclui-se que é precisamente em Portugal o país onde ela mais cresceu. Entre 1995 e 2005, este indicador baixou na União Europeia dos 15 países mais antigos, onde Portugal se integra, de 5,1 para 4,8, enquanto em Portugal cresceu de 7,4 para 8,2. Mas é precisamente em 2005, com o governo de Sócrates, que as desigualdades neste campo aumentaram mais. Enquanto a nível da UE25 passou de 4,8 para 4,9, portanto agravou-se em 2%, em Portugal aumentou de 7,2 para 8,2, ou seja, registou um agravamento de 13,8%, isto é, 6,9 vezes mais que a média comunitária E tudo se verifica num País onde a riqueza criada por habitante é bastante inferior à média comunitária. Em 2006,por ex., o PIB por habitante SPA português correspondia apenas a 69,8% da média da UE25. A riqueza produzida é pouca em Portugal mas está cada vez mais mal repartida, o que torna a situação portuguesa ainda mais grave (interessa recordar que dois milhões de portugueses vivem actualmente ainda abaixo do limiar da pobreza)."
Eugénio Rosa
Não é triste para um governo socialista ver este aumentar da desigualdade na nossa sociedade?
Onde apareceu esta notícia como manchete? Não tinha essa dimensão?
Que reflexos tem este aumento da desigualdade a curto e médio prazo na Educação?
É dificil de medir em números, não é? Mas os problemas daqueles que estão cada vez mais no fundo da tabela vão repercutir-se nas escolas. Disso não tenho dúvidas.

Etiquetas: ,

2 Comentários:

Anonymous S.L. disse...

Henrique,

Qualquer post é bom para lhe dizer que estou ttalmente de acordo com a aquilo que é afirmado na sequência de posts que nos trouxe através do seu blog. Aproveite para dar um salto a http://www.correiomanha.pt/noticia.asp?id=232680&idselect=9&idCanal=9&p=200 . Talvez as duas últimas respostas da entrevistada reforcem as suas / minhas convicções...

2:19 da tarde  
Blogger henrique santos disse...

s.l.
em primeiro lugar agradeço-lhe a referência. A entrevista é mesmo esclarecedora. E as duas respostas finais são realmente um mimo.

7:25 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial